Resenha: JavaScript: The Good Parts

29 de Junho de 2014 3 minutos para ler

JavaScript foi uma das linguagens que aprendi sem querer. Sempre vi como uma linguagem complementar para criação de aplicações web e por isto nunca dediquei um tempo para estudar. Tudo o que aprendi foi com auxílio de amigos, Google e é claro o StackOverflow. Além disto, posso dizer que conheço mais de jQuery do que de JavaScript puro.

Acontece que já faz um tempo que começou esta onda de Single Page Application, Javascript MVC, Node.js e outras ferramentas e conceitos baseados em JavaScript. Acontece que esta moda pegou mesmo e acabei embarcando nela. Estou começando a estudar o Angular.js, um framework MVW (Movel View Whatever) escrito em JavaScript para criação de web apps mais dinâmicos. Não é que não seja possível fazer o mesmo sem Angular, mas definitivamente ele facilita muito.

Nesta onda de estudos resolvi ler o livro JavaScript: The Good Parts e deixo aqui minha resenha do livro.

JavaScript: The Good Parts

172 páginas escritas por Douglas Crockford

pubicado por O’Reilly Media / Yahoo Press em Maio de 2008

Minha nota: 2 de 5.

Preciso afirmar que não gostei do livro, esperava muito mais vindo de um autor conhecido como “o cara” do JavaScript. Sim, tiveram bons capítulos, mas a grande eu pulei por não fazer menor sentido.

O livro inicia apresentando a gramática e a sintaxe das instruções em JavaScript, seja ela para criar uma variável, iniciar um objeto, definir uma função, chamar uma função, entre outros. Para mim este foi um dos primeiros erros do livro. Considerando que o público-alvo são programadores que já conhecem JavaScript (isto consta no prefácio), este capítulo é totalmente desnecessário.

Outro capítulo encheção de linguiça é o de expressões regulares (regex). Existem centenas de livros específicos sobre o assunto para quem quer aprender, não precisava de um capítulo inteiro sobre isto neste livro. Se eu quiser aprender a usar as funções de regex do JavaScript eu procuro na referência da linguagem e encontro o comando que eu preciso usar. Não existe segredo neste assunto, regex é regex e ponto final, não importa se é Java, JavaScript ou C#.

E os pontos negativos contibuam. Um capítulo inteiro para falar dos métodos disponíveis na linguagem? Um livro que deveria tratar de aspectos avançados da linguagem está tentando me ensinando a usar ‘string.indexOf’, ‘string.replace’, ‘array.push’ entre outros? Sério mesmo? Este tipo de assunto eu leio na documentação de referência da linguagem ou no livro “JavaScript for Dummies”. O público-alvo do livro já conhece tudo isto.

Um dos últimos capítulos falam de JSLint, um projeto pessoal do autor para analisar qualidade de código JavaScript. Para mim, este assunto é totalmente desconectado com o livro. O livro foi usado somente para promover a ferramenta. Quero aprender sobre os recursos que a linguagem disponibiliza e o que eu posso fazer com isto. Não quero saber deste projeto. Desnecessário escrever um capítulo inteiro sobre o assunto, inclusive colocando detalhes de uso da ferramenta. Poderia simplificar com um único parágrafo explicando o que é e um link para o site oficial.

A didático do autor também não ajudou muito. Quando o assunto era interessante os exemplos não eram bem aproveitados. Já estamos saturando de exemplos ‘new Cat’, ‘Foo’ e ‘FooBar’.

O livro critica pelo menos uma três vezes o uso de variáveis globais, os operadores “++” e “–” e fala sobre os riscos de uma má identação. Caramba, é sério que peguei um livro para ler isto?

Teve um assunto ou outro que foi útil, como por exemplo closures e prototypes. Porém grande parte da leitura foi apenas perda de tempo.

Eu tinha uma expectativa tão grande quanto a este livro e acredito que por isto que fiquei bastante decepcionado. Particularmente não recomendo a leitura. Se fosse para indicar um livro de JavaScript avançado eu procuraria outro. Um ponto positivo é que o livro é bem curto, então se pularmos os capítulos inúteis é possível finalizar o livro em poucas horas.

Até logo.